domingo, 28 de junho de 2015


Estudo afirma que há apenas dois tipos de tigres no mundoL, em São Paulo



  • Tiziana Fabi/AFP
    Apenas seis especies de tigres ainda podem ser encontradas na natureza: o siberiano, o de-bengala, o do-sul-da- China, o de-Sumatra, o indochinês e o malaio Apenas seis especies de tigres ainda podem ser encontradas na natureza: o siberiano, o de-bengala, o do-sul-da- China, o de-Sumatra, o indochinês e o malaio
Um novo estudo divulgado nesta sexta-feira (26) sugere que existem apenas duas subespécies de tigres: os de Sonda e os continentais. Até então, os cientistas acreditavam que existiam nove subespécies de tigres: o siberiano, o de-bengala, o do-sul-da- China, o de-Sumatra, o indochinês, o malaio, além do de-Bali, do de-cáspio e de-Java, esses três últimos já considerados extintos. A descoberta gerou controvérsia entre os pesquisadores, alguns acreditam que ela pode, inclusive, ter impactos positivos e negativos sobre a conservação desses animais. Estima-se que haja apenas 4.000 tigres que vivem na natureza.
Para chegar a essa conclusão, os cientistas do Instituto de Pesquisa de Vida Selvagem e Zoológico de Berlim, na Alemanha, investigaram as diferenças entre as subespécies, comparando o tamanho do crânio, padrão de pele, ecologia e a genética. Eles usaram dados de pesquisas anteriores já publicadas e coletaram novas evidências em museus que reúnem espécimes dos animais extintos.
Combinando as informações, eles encontraram poucas evidências para sustentar a existência das nove subespécies. Segundo um dos autores do estudo, Andreas Wilting, em entrevista à revista científica Science, foram encontradas diferenças genéticas entre as subespécies, mas analisando todos os traços em conjunto, é possível distinguir de forma confiável apenas dois subtipos de tigres.
As poucas espécies teriam como causa provável um desastre natural que teria acontecido há 70 mil anos quando o vulcão gigante Toba, em Sumatra, na Indonésia, entrou em erupção e matou a maioria das espécies de tigre que vinham se desenvolvendo há 2 milhões de anos, no sul da Ásia. Provavelmente, apenas uma pequena população sobreviveu e toda a variação vista hoje teria evoluído a partir dela.
Nesse cenário, os tigres de Sonda englobariam os tigres-de-Sumatra e os extintos tigres-de-Java e tigres-de-Bali. Já os tigres continentais reuniriam os demais subtipos já citados.
Para o zoologista da Universidade de Berna, na Suíça, Urs Breitenmoser, que não estava envolvido no estudo, a descoberta certamente causará controvérsias. "Acho o trabalho bastante convincente e em consonância com as outras descobertas recentes", afirmou em entrevista à Science. Já havia um estudo anterior, por exemplo, que sugeriu que o tigre-do-cáspio e o tigre-siberiano eram da mesma espécie.
Se a nova classificação for adotada, especialistas acreditam que será necessário aumentar os esforços para a preservação desses animais. Os tigres indianos, por exemplo, poderiam ser usados para reforçar a população de tigres-do-sul-da-China, a que está mais ameaçada de extinção. Além disso, os milhares de tigres nascidos em zoológicos, com pais de várias espécies, poderiam ser facilmente colocados em programas de reintrodução à natureza. 

Ampliar


Conheça animais ameaçados de extinção no planeta165 fotos

136 / 165
O tigre de Amur ou da Sibéria é o maior felino vivo do mundo. Encontrado na Rússia e na China, o 'Panthera tigris altaica' está em perigo de extinção segundo a classificação oficial do IUCN. Na década de 90, ele chegou a ser classificado como criticamente ameaçado, mas a população passou de cerca de 20 a 30 animais para cerca de 360 em 2010. A variabilidade genética é bem pequena já que eles descenderam de poucos tigres e vivem em uma área isolada. Na China, a população de tigres depende da migração de animais da Russia e conta com a introdução de cervos pelo homem para se alimentarem Leia mais Simon Fals/Polfoto/AP

Veja também

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial